Vitamina para adolescência ajuda no crescimento?

Sim. Além de uma alimentação saudável e equilibrada, a vitamina para adolescência ajuda no crescimento, desde que se consumidas as vitaminas corretas e na quantidade certa.

A vitamina para adolescência carrega nutrientes importantes para o desenvolvimento nessa fase tão importante para a evolução física e mental.

A ausência de vitamina para adolescência não significa que o adolescente não irá crescer, mas, sim, que ele não irá atingir o máximo potencial de crescimento. Vitamina para adolescência está diretamente ligada à evolução física do adolescente.

Suplementação com minerais e vitamina para adolescência são sempre uma das recomendações dadas pelos profissionais para aqueles que apresentam déficit em seu organismo, seja por má alimentação ou por alguma condição clínica. Mas não apenas nessas situações. Por esse motivo, o mais indicado é que o processo de suplementação seja sempre acompanhado por um médico especialista.  

Nesse artigo, vamos esclarecer uma série de dúvidas comuns com relação ao uso de vitamina para adolescência, como, por exemplo:  A partir de que idade pode tomar vitamina para adolescência? A falta de vitamina acarreta problemas? Como tomar vitamina para adolescência? Qual a diferença entre vitamina para adolescência e suplementos? Qual melhor vitamina para adolescente? Qual é indicada por médicos?

A partir de que idade pode tomar vitamina para adolescência?

Não existem muitos estudos específicos sobre a partir de que idade pode tomar vitamina para adolescência, ou, pelo menos, não há pesquisas específicas sobre a idade exata. 

O mais recomendável é que, ao identificar uma deficiência de vitaminas na dieta do adolescente, seja feita a consulta a um profissional e, com toda orientação necessária, se dê início ao processo de suplementação.

A partir de que idade pode tomar vitamina para adolescência?

É importante ter em mente que, ainda que não haja pesquisas específicas sobre a idade, é sabido que o início da utilização da vitamina para adolescência varia de acordo com a idade do adolescente. Um adolescente de 12 anos não terá em sua dieta a mesma quantidade de suplementação que um de 17 anos. Isso também vale para dosagem, tipo de suplementação vitamínica e frequência de ingestão.

+LEIA MAIS: Qual a dosagem, o preço e para que serve a vitamina D para criança?

A falta de vitamina para adolescência acarreta problemas?

Sim, a falta de vitamina para adolescência acarreta problemas de saúde. Vamos ver abaixo, matérias jornalísticas e avaliações de especialistas a respeito do tipo de problema que a falta de vitamina para adolescência pode acarretar.

Vitamina para adolescência: não pule refeições

Segundo a nutricionista da Amil Pollyanna Ayub, a deficiência de vitaminas para adolescência é causada, principalmente, quando o adolescente tem o hábito de pular ou trocar as refeições. “Por querer dormir um pouco mais, por exemplo, o jovem pode pular o café da manhã, momento em que a ingestão de lacticínios ricos em cálcio é maior”, explica a especialista. “Quando o adolescente pula as principais refeições, o problema é ocasionado pela substituição dos pratos que devem ser abundantes em legumes, verduras, carboidratos e proteínas por lanches e fast foods. O mesmo ocorre em outras refeições e, por não ingerir esses nutrientes, a pessoa acaba ficando com deficiência”, disse.

Vitamina para adolescência muda de acordo com a faixa etária

A nutricionista Mariana Del Bosco explica que, para todas as vitaminas e minerais existentes, há uma recomendação de consumo, que muda de acordo com a faixa etária. Ela explica ainda, que, na infância e na adolescência, essa orientação leva em conta a quantidade necessária para garantir o adequado crescimento e desenvolvimento. “A determinação da necessidade é baseada na média da população. Alguns indivíduos, de uma forma ou de outra, conseguem ter mais absorção ou armazenar com mais eficiência essas substâncias”, acrescenta.

Vitamina para adolescência muda de acordo com a faixa etária

Vitamina para adolescência e sinais clínicos

A nutricionista destaca, contudo, que, quando constatada a deficiência desses elementos na alimentação do adolescente, sinais clínicos podem surgir, como no caso da hipovitaminose A, por exemplo. “A deficiência desse tipo de vitamina pode comprometer a visão, causando cegueira noturna, além de comprometer a integridade da pele, aumentando o risco de infecções”, alerta a especialista. “Já a deficiência de vitamina C contribui para o surgimento do escorbuto. A falta de magnésio e de cálcio compromete a formação óssea e pode causar osteomalácia e raquitismo”, finalizou.

Falta de vitamina para adolescência é alvo de estudo

Uma reportagem publicada pelo jornal Correio Braziliense retratou estudo feito com jovens de 14 a 18 anos. A pesquisa apontou que esses estavam com deficiências de vitamina em seu organismo. A pesquisa foi realizada em 2019 pela Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo) e constatou que 512 jovens apresentaram consumo inadequado das vitaminas A, C e E e dos minerais cálcio, magnésio e fósforo, todos importantíssimos para a manutenção dos órgãos e dos ossos; e abundantes nos ingredientes saudáveis.

O estudo concluiu que a falta desses nutrientes pode ocasionar diversas doenças e o hábito de ingeri-los deve ser inserido pelos pais, os responsáveis pela alimentação da casa.

Falta de vitamina para adolescência traz riscos de saúde

A pesquisa ‘Prevalência de inadequação da ingestão de nutrientes entre adolescentes do município de São Paulo’ apontou que “a ingestão inadequada de vitaminas é maior em famílias cuja renda familiar per capita é inferior a um salário-mínimo. Se essa ingestão inadequada de nutrientes continuar a longo prazo, poderá levar a um risco aumentado para o desenvolvimento de câncer, doenças cardíacas e osteoporose”.

“Essa constatação, entretanto, não é motivo para a suplementação vitamínica e, sim, para a adoção de uma dieta equilibrada, com a presença de frutas e vegetais”, afirmou o autor do estudo, o nutricionista Eliseu Verly Junior, à Agência USP.

Falta de vitamina para adolescência traz riscos de saúde

Como tomar vitamina na adolescência?

A vitamina na adolescência deve ser ingerida principalmente por meio de alimentação. Sob orientação de especialista, pode, também, ser ingerida por meio de suplementação, como já mencionado.

Quando o assunto é suplementação com vitaminas, algumas são indicadas logo de cara. Mas, sobre como tomá-las, é difícil definir, visto que a análise para a metodologia de consumo passa por avaliação extremamente individual, como já revela o trecho desse artigo da Growth Suplements:

“Quando pensamos nas vitaminas e nos minerais, fazer generalização é complicado, tendo em vista que as quantidades ideais e a necessidade só podem ser medidas com análises individuais.”

Vitamina para adolescência – Vitamina D

“A vitamina D, por exemplo, é um hormônio que está sendo cada vez mais estudado e se mostra como peça fundamental para o equilíbrio dos níveis de cálcio e de fósforo no sangue e para um esqueleto saudável. Sem contar com outras atribuições no sistema imunológico e na regulação de processos de multiplicação e diferenciação celular. Mas é bom lembrar que só é ativada se a pessoa tomar um pouco de sol!”

Por outro lado, o excesso de vitamina D pode, também, acarretar problemas, como calcificação nas vias coronárias.

Como tomar vitamina na adolescência?

Vitamina para adolescência – Vitamina C

A vitamina C, por sua vez, é uma das mais conhecidas. Ela está ligada à melhora no sistema imunológico também e, tem vasta utilização no meio esportivo, uma vez que combate os radicais livres, com ação antioxidante e protetora das células.

O que muitos não sabem é que a vitamina C não é produzida pelo corpo e só é conseguida via alimentação, principalmente em frutas, como abacaxi, laranja, limão e manga, ou em suplementos.

Vitamina para adolescência – Complexo B

As vitaminas do complexo B têm funções metabólicas e de extrema importância, especialmente para quem treina. A vitamina B6 é fundamental para a manutenção da síntese proteica, por exemplo, enquanto a B12 é essencial para manter o bom funcionamento do sistema nervoso e para as hemoglobinas. Leia mais aqui.

Qual a diferença entre vitamina para adolescência e suplementos?

O conceito de suplementos vai muito além das vitaminas. Os suplementos em geral ganharam muito destaque pela grande relevância que alcançaram no universo esportivo. Quando se fala em vitamina para adolescência, normalmente tem-se em mente o desenvolvimento natural do adolescente do que seu rendimento físico.

Alguns suplementos como Whey Protein, BCAA, Creatina, Glutamina e Albumina estão entre os mais procurados e normalmente são usados para fornecer nutrientes que a pessoa não consome em quantidade suficiente.

Mas é importante dizer: suplementos utilizados nas academias nada têm a ver com as vitaminas sobre as quais falamos para equilibrar as deficiências na dieta de um adolescente. O suplemento está muito mais voltado para a performance atlética do que para um desenvolvimento orgânico do corpo, coisa que se pode alcançar com a suplementação de vitaminas.

Qual a diferença entre vitamina para adolescência e suplementos?

No caso dos suplementos para adolescentes, a Growth Suplements faz alerta importante, que reproduzimos:

“É inegável muitos adolescentes que frequentam academias ou praticam atividades físicas com frequência, acabam fazendo uso de suplementos e, muitas vezes, o faz por indicação de amigos, o que está longe do ideal. Aqui, também, deve-se sempre consultar um especialista antes de iniciar o uso.”

Leia mais sobre adolescentes e suplementos aqui.

Qual melhor vitamina para adolescente? Qual é indicada por médicos? Quanto tomar?

Uma das vitaminas que mais aparece quando o assunto é vitamina para adolescência, é a vitamina D. A ingestão diária recomendada para adolescentes pela Sociedade Brasileira de Pediatria é de 400UI/dia (10mcg). Mas, como dito anteriormente, o uso deve ser feito a partir de orientação de especialista.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram